28 de agosto de 2013

Minha primeira viagem ao exterior

Antes de começar, queria dizer que os comentários do post anterior foram respondidos lá mesmo. Muito obrigada pela visita e pelo carinho de vocês. :)

Bom, agora vamos falar da minha viagem, a primeira para fora do Brasil.

Como mencionei no outro post, meu esposo foi para a Alemanha a trabalho, e como eu trabalho e estudo via Internet, pude acompanhá-lo. Ele viajou dois dias antes de mim. Então, cabia a mim enfrentar sozinha uma jornada de quase 24h de viagem, incluindo voo de 12h + alfândega + trem até a cidade de destino: Colônia.

A ida:
Minha viagem começou ao meio dia de uma segunda-feira, peguei um voo de Salvador para o Rio, mas o voo do Rio até Frankfurt só saiu às 9h da noite. Eu subestimei o que seria passar 12h dentro de um avião, não dormi nada, senti muuuito frio, comi pouco, fiquei exausta fisicamente, detestei mesmo. Outra coisa que eu subestimei foi a alfândega. O cara foi muito antipático comigo, não tinha paciência, nem fazia questão de falar devagar para que eu o entendesse. Demonstrava desconfiança sobre tudo o que eu respondia, e me deu o visto muito a contra gosto. Por quê? Bom, há algumas teorias de que muitas brasileiras vão ao exterior para se prostituir, e que por eu ser jovem e estar sozinha, poderiam ter pensado isto de mim, será que procede? O que vocês acham? Também cometi uma falha, uma mulher na fila me aconselhou a "abrir um sorriso" ao saudar o carinha da alfândega. Coitada de mim, cheguei lá toda simpática, e o alemão me fulminou com os olhos. Não é por nada não, mas depois até achei que essa mulher agiu com maldade, pois, diferente de mim, ela tinha passado por várias alfândegas, devia saber, como eu sei agora, que chegar abrindo um sorriso é uma péssima ideia neste tipo de situação, ainda mais com os alemães. Enfim, quase chorei depois que saí de lá e fui pegar o trem para Colônia. Pegar este trem era o que eu mais temia antes da viagem, mas foi a parte mais fácil e simples de todas, eu estava morta de cansada, e só pensava em encontrar o meu esposo na estação. A viagem durou 1h e correu tudo bem.

A chegada:
Ah, eu não mencionei que esta foi a primeira viagem para fora do país do meu esposo também. Inexperientes no assunto, marcamos de nos encontrar na estação de trem, e só. Eu estava a mais de 12h sem dar notícias a ninguém, pois estava sem celular e sem Internet. Ninguém sabia se eu tinha chegado, se eu tinha conseguido, já que eu não tinha como avisar. Desci do trem e cadê o esposo?? Não o vi. Na minha ansiedade de encontrá-lo, saí andando, procurando algum lugar que parecesse ser "o lugar onde as pessoas se encontram". Diferente do que eu imaginava, a estação era enorme, cheia de escadas, e pessoas indo e vindo para todos os lados. Depois de certo tempo, resolvi procurar uma lan house para avisar pelo Facebook ao meu esposo que eu havia chegado, e o fiz, dei um ponto de referência e esperei um pouco mais. Depois de 1h30 e nada, começou a me dar uma sensação de desespero que eu nunca tinha sentido, minha vontade era chorar ou pedir a alguém que me ajudasse. Respirei fundo e resolvi pegar um táxi até o hotel, eu não aguentava mais puxar aquela mala pesada pra lá e pra cá. Por sorte, meu esposo tinha me dado euros aqui mesmo no Brasil. Peguei um táxi e no caminho fui contando toda a história ao taxista, descobri que o desespero me deixa super fluente em inglês, rs... Bom, resumindo, fiquei no hotel esperando meu esposo, que só apareceu 1h30 depois, após ter deduzido que eu poderia ter ido pra lá. Foram 3h da hora que cheguei em Colônia, 5h da tarde da terça-feira, até finalmente encontrá-lo.

A primeira semana:
Eu estranhei tudo nos primeiros dias. O clima (estava frio), a comida (muita salsicha), o fuso horário (5h mais tarde), as pessoas (aparência e atitude), enfim, eu não estava gostando, me sentia um peixe fora d'água, um ser de outro universo (momento drama queen). Recorri aos meus amigos, pois estava muito frustrada comigo mesma por ter tanta dificuldade com mudanças e adaptação. Mas foi quando eu percebi, que o que estava me atrapalhando mais era o fato de sempre estar buscando algo familiar, algo que me desse um pouquinho daquela sensação de estar em casa. Na verdade, eu tinha de conviver com aquela sensação de estar fora do meu meio, tinha de passar aqueles dias ali com a sensação de ser uma estrangeira num país desconhecido, me incomodava, mas este era, de fato, o contexto. Foi a partir daí que as coisas começaram a melhorar...

O durante:
As outras 4 semanas foram mais tranquilas, eu consegui relaxar e aproveitar a viagem. Neste tempo conheci mais quatro cidades: Bruxelas, na Bélgica; Berlim e Cochem, na Alemanha; e Amsterdã, na Holanda. Depois farei outro post com fotos, falando minhas impressões sobre cada lugar, uma vez que este post está muuuito longo.

A volta:
A viagem de volta foi beeeeeeem melhor. Eu fui preparada, já sabia o que ia enfrentar. Comi melhor antes do voo, bebi bastante líquido, me protegi do frio, mas ainda não dormi nada, um dia eu chego lá. ;) Encontrei meu esposo em São Paulo e voltamos juntos para Salvador.

Bom, foi isso. Neste post eu quis mesmo contar os "perrengues", no próximo eu conto o que achei dos lugares que conheci e falo mais sobre esta experiência.

Desculpem o tamanho do post, beijos e até o próximo! :)

6 comentários:

  1. Lis, eu adorei Colonia. A Catedral é deslumbrante e só lá se compra a verdadeira Água de Colônia, risos... é meio difícil se adaptar a outras terras, mas eu gosto e em vez de procurar o familiar procuro o diferente, assim tenho histórias para contar na volta, risos
    Não gostei muito de Bruxelas é uma cidade simpática e só, mas adorei Amesterdã moraria lá tranquilamente. Conta mais.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Dom é incrível mesmo. Sabe, eu gostei de Bruxelas, bastante. :) E eu tb moraria em Amsterdã, é demais! Contarei mais sim, bjos!

      Excluir
  2. Lis, esse detalhe da tua chegada foi meio desesperador. Até parece cena de filme. Mas ainda bem que tudo deu certo! :)

    Depois volto para ver o post com as fotos e seus comentários. ;)

    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita, Margot! É.. foi meio desesperador msm, mas ainda bem q com um final feliz. :) Bjos!

      Excluir
  3. Olá, Lis!

    Vim conhecer seu cantinho e adorei seu blog! Já coloquei ele na minha lista de favoritos!

    Foi muito bom começar a ler sobre sua viagem e continuarei nos seus outros posts!

    Primeira viagem pra fora é sempre estressante, eu me reconheci bastante no seu relato (na minha primeira vez sozinha, fui pros EUA, quase não falava inglês e a alfândega... foi quase a mesma coisa que aconteceu contigo na Alemanha!). Esse negócio de ir com sorriso pras autoridades não é bom negócio...

    Ainda não conheço a Alemanha nem a Bélgica, mas conheci Amsterdam e ameeei aquilo lá! Depois escrevo sobre na minha série ;)

    Beijoooos!

    M.

    caseicomomundo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que veio aqui! Volte sempre que quiser. :)

      Acho que fiz mais 2 posts fora este, e fiz um outro em 2012, falando sobre minha viagem a Gramado. Sou uma viajante muito verde, mas espero fazer ainda muitos posts sobre viagens. Enquanto isto, vou acompanhado os seus. ;)

      Beijos!

      Excluir

Obrigada por compartilhar a sua opinião. Marque a opção "notifique-me" para ser avisado(a) quando o seu comentário for respondido. Beijos!