6 de junho de 2011

Caso ou compro uma bicicleta?

Tem dias que a gente precisa sentar, transformar nossos sentimentos em palavras e desabafar um pouco. Hoje é um destes dias.

Tenho evitado transformar este espaço numa espécie de diário, mas logo lembro que ele foi criado como apenas um lugar para ser... Assim ele não se define em si próprio e se permite ser o que lhe convier, ou melhor dizendo, o que me convier.

E acontece que estes dias eu tenho andado muito angustiada. O meio do ano chegou mais depressa do que eu gostaria e é chegada a hora de tomar decisões importantes.

Recapitulando, eu cheguei aqui dia 22 de janeiro, com 3 meses precisei mudar de apartamento, faz pouco mais de 1 mês que a mudança aconteceu, já me encontro estabilizada e adaptada ao meu novo lar. Neste tempo utilizei minhas economias, que por sinal estão chegando ao fim. Preciso começar a trabalhar em breve.

Outra coisa, estou noiva, ainda não me casei, e este plano está programado há um tempo para acontecer em julho, ou seja, mês que vem. Meu casamento será apenas civil, e provavelmente um almoço para meus familiares mais íntimos. Algo simples de se preparar, mas que precisa ser planejado a partir de agora pelo menos, até porque será na minha cidade natal.

Agora sim posso falar do que me angustia. Emocionalmente tenho passado por uma fase difícil. Tenho me esforçado para superar medos e inseguranças. Posso dizer que já tive fases bem piores em minha vida, como já tive fases melhores também. Mas percebo que está na hora de avançar um pouco. Minha falta de confiança pessoal e profissional tem me abalado. Penso que não mais ficar "ruminando" pensamentos me fará progredir e sim vivenciar outras experiências.

Dentro deste contexto está uma data muito importante: a data do meu casamento. Não entrarei de véu e grinalda numa igreja, não vou oferecer uma recepção para 200 convidados, muito menos passarei 10 dias de lua de mel em Paris, mas ao lembrar deste dia quero que me venha ao coração a sensação gostosa de paz e alegria, como as que sinto de momentos muito felizes que vivi. Nada, nada pra mim é mais importante do que a sensação de paz no coração, de serenidade e harmonia consigo mesmo. E confesso que não é bem esse o momento que vivo agora. Por esta razão, me questiono se não seria melhor deixar o dia do meu casamento para uma fase mais estável emocionalmente falando. Pois casamento não é como aniversário, que não dá pra adiar nem tem todo o ano.

Por outro lado me pergunto: o quanto o nosso emocional deve interferir em nossas decisões? Depende da decisão? De repente, esta pergunta me pareceu bem mais relevante que a outra. Talvez eu já saiba a reposta, mas eu tinha praticamente como certo que o meu casamento seria em julho, e fiquei meio desnorteada com esta inquietante indecisão.

Daí alguém pode perguntar: "Gente, mas e o noivo? Essa mulher vai casar sozinha?!" Meu querido noivo disse que o que eu decidir será feito, por ele, a gente vai ao cartório amanhã e casa como pode perfeitamente ficar para julho do ano que vem. Bem diferente de mim, ele descomplica.

Bom, essa é a hora em que vocês me falam alguma coisa, vou esperar...

Beijos!

12 comentários:

  1. Oi Lis! Que dúvida! Eu não sei se consigo te ajudar, imagino que o casamento deve ser um momento de alegria, pra ser relembrado, mas ai ficam duas coisas: adiar vai aumentar sua ansiedade com relação ao futuro? Casar agora vai te trazer alguma espécie de paz, ajudar nesse momento difícil? Me conta depois o que vc decidiu! Bom te ter de volto no blog ;) Um abraço e fique em paz.

    ResponderExcluir
  2. A gente tem assim, essa mania de achar que tudo deve estar bem e estável para começar a viver. Mais ou menos assim: "Quando eu fizer/estiver __________, eu poderei _________".

    Entendo esse tipo de pensamento e luto contra ele até hoje. Mas estar "infeliz" (ou questionando) uma área específica da nossa vida, não quer dizer que não devamos ser felizes em outras áreas. Temos mesmo essa mania de idealizar, querer que tudo esteja bem e perfeito. Mas a vida não é sempre perfeita, em todas as áreas, ao mesmo tempo.

    Pelo contrário: imprevistos sempre surgem, problemas e questionamentos também. Não podemos punir o que vai bem somente porque há algo que não está tão bem resolvido como gostaríamos.

    Não vou te dizer case ou não case porque esse tipo de decisão tem que vir de dentro, não tem jeito. Só acho que vc deve fazer o que seu coração diz, o que for te deixar mais feliz, fizer vc dormir melhor à noite, sabe? rs

    Sem grandes idealizações. Permitindo-se sempre ser feliz "apesar de".

    Bjos!

    ResponderExcluir
  3. "Vc vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser..."

    ResponderExcluir
  4. Casar ou comprar uma bicicleta??
    ahahahahahah!!!! ADOREIII, Lis!!!
    Realmente, querida... ninguem pode decidir isso por voce, e somente voce vai saber se este eh o seu momento (parece que voce ja sabe, neh?)
    Mas eu concordo 1000% com voce que o que realmente importa no dia do seu casamento seja o seu sentimento de paz e alegria, pois essas serao as memorias que voce vai levar pra sempre.
    Voce pergunta quanto o emocional deve interferir nas nossas decisoes... no meu caso, o emocional sempre interfere 100% nas minhas decisoes, e eu nao consigo decidir nada racionalmente se meu emocional nao estiver saudavel. Mas cada pessoa tem uma forma diferente de ver as coisas, neh? Tem gente que age exatamente ao contrario de mim, e deixa para tomar grandes decisoes no auge de uma grande pressao.
    Bom, eu acho que ninguem deve lhe conhecer tao bem quanto seu noivo, entao a minha sugestao eh que voce converse muito com ele sobre isso, e que voces cheguem juntos a uma decisao que vai ser a melhor para os dois.
    No fim, esta eh a verdadeira essencia de um casamento: a amizade, a cumplicidade, a compreensao, o "crescer juntos"... que pelo visto, voces ja tem! Isto eh o que realmente importa, Lis! O resto, eh mera formalidade. E formalidades podem ser adiadas, nao eh mesmo?
    Um beijo!
    ahhh, sim!!! sobre a plantinha de "meia-sombra"... pelo q sei, elas tem q levar um solzinho, sim. Nao podem ficar expostas diretamente no sol, nem completamente na sombra, dentro de casa, mas tem q ficar num lugar que pelo menos peguem uns raios de sol, nem que seja de relance... hihihihihi! complicado, neh???
    obrigada pelas suas visitas e comentarios sempre, viu?
    beijinhos!

    ResponderExcluir
  5. Não é só vc que anda confusa... rs
    Eu tb e muita gente que conheço tb.

    Ter medos e inseguras é muito comum... Se vc for parar pra pensar, vc já vive com o seu noivo... casar no civil não mudará a vida de vcs. Sobre casar na igreja e tralala.. é bonito? é. Mas tb não é garantia de felicidade posterior. E isso não significa q vcs não poderão casar na igreja, com direito a festa e lua de mel, no futuro, né?

    Espero ter ajudado rsrs
    Embora eu tenha dado mais a minha opinião mesmo rsrs

    Não é só vc, tb ando confusa... relaxa!

    Bjos

    ResponderExcluir
  6. e obrigada pelo coments e apoio no meu blog, flor!

    Bjo

    ResponderExcluir
  7. Lis, querida
    RELAXA
    A vida não é precisa, só o navegar segundo o Fernando Pessoa.
    Não existe momento ideal para nada, prepare seu casamento, curta cada minuto e seja feliz.
    Ninguém é feliz 100% do tempo, a felicidade é feita de momentos que depois nos faz sorrir.
    bjs carinhosos
    Jussara

    ResponderExcluir
  8. Lis, lembre-se que o mais difícil e complicado você já fez: sair da casa dos seus pais e dividir sua vida com um homem, seu noivo.

    Talvez assinar papéis e oficilizar uma união (que já existe) não seja assim uma questão para gerar tantas dúvidas.

    Pense direitinho.
    Quero sempre seu bem minha querida.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. Oi Lis, fiquei pensando sobre seu post e voltei aqui para dizer que no comentário anterior, talvez eu tenha resumido as coisas.

    Lendo melhor o que você escreveu, percebi que seu receio não é o de se casar, mas se deve se casar nesta fase da sua onde ainda se encontra meio down. Entendi.

    Acho que posso concordar com a Jussara viu Lis. Relaxa um pouquinho e tome como exemplo o seu marido, ele descomplica as coisas enquanto nós mulheres sempre complicamos.

    Mas, confesso que também fiquei pensativa quanto a isso porque, ao mesmo tempo que você o ama e que deveria separar as coisas para se casar e prosseguir em busca de uma vida mais feliz, ao mesmo tempo sei que gostaria de viver esse dia como sempre sonhou: um dia perfeito com muitas felicidades e alegria!!

    Acho que o melhor conselho nesta hora Lis é você seguir seu coração e a sua intuição. Case-se no momento que achar certo. Não precisa ser em Julho do ano que vem, pode ser daqui alguns poucos meses quem sabe.

    Reserve uns minutos do seu dia quando você estiver bem tranquila e souber que não será interrompida e converse com Deus à sua maneira. Peça para Ele pôr as mãos sobre a sua situação e a conduzir da maneira que for melhor para o casal.

    Não é bom fazer nada forçado Lis.
    Tudo tem sua hora certa.
    Tenha certeza de que se não for para ser em Julho, não será de jeito nenhum, mesmo os dois querendo.

    Pode reparar que no final das contas, não passamos de simples marionetes da vida!!!!
    Planejamos mil coisas e, no máximo, 10% acontece como gostaríamos.

    Relaxe um pouquinho e entregue nas mãos de Deus por um tempo, mas com fé. Peça para Ele ajudar você amiga.

    Bj

    ResponderExcluir
  10. Essa sensação de angustia, medo, insegurança vai passar, mulher sempre tem dessas coisas. Principalmente quando as coisas não estão do jeito que nós gostaríamos que estivessem.

    Quando ao casamento,
    Casamento é sempre muito importante mesmo que não aconteça uma grande festa pra mil convidados. E algumas mulheres passam por crise antes do casamento, é quando questionamos se é ou não é a hora de casar.
    Mas não coloque impecilios, não deixe que problemas externos e adversos adie um plano que já foi pensado e decido por você e seu noivo.


    Beijos,
    adorei seu blog!

    ResponderExcluir
  11. Lis,

    Quando eu cheguei nos EUA as coisas foram muito difíceis.Vim de intercâmbio e perdi meu emprego na 2a semana que tinha chegado no país devido à crise que tinha acontecido no país no final de 2008.Como morava numa cidade ovo, não encontrei emprego em lugar nenhum e nem podia dirigir...Onde eu morava não tinha ônibus.

    Morei de favor numa casa com 5 pessoas, casa esta que passei 2 semanas doentes e cada pessoa tinha um carro mas ninguém se habilitava para me levar ao hospital.Um dos membros da família tinha acabado de voltar do Iraque e ainda estava em guerra "mode:on".

    Estava tendo dificuldades com a minha sogra,pois ela não chegava junto pra dar uma help e até o vestido que encontrei de 90 dólares ela achou caro.

    Meu dia de noiva passei sozinha, pois as ditas amigas não apareceram e nem ligaram pra dizer que não iriam poder vir.Enfim,depois disso meu visto venceu e aí entrei com o pedido de ajuste de status e não podia trabalhar até pouco tempo atrás.

    O que quero dizer com isso é que vc não deve depender das suas emoções para tomar as decisões certas, decisão a gente toma pelo que SABEMOS e não pelo que SENTIMOS, pois sentimentos são a parte mais superficial da nossa vida, pois elas vem e vão.

    Eu tinha tudo para não ter casado em janeiro de 2009.Detalhe, tinha chegado nos EUA em nov. 2008...Eu só tive um mês pra ajeitar tudo.Nesses dois meses eu :

    - perdi o emprego que eu fui garantida a ter.

    - descobri que a minha chefe vivia falando de mim nas minhas costas para os nossos clientes.

    - ela quis que eu fosse morar na casa dela, mas assim que eu saí da casa dela, ela me demitiu.

    - um dos irmãos da minha sogra achava que eu só tinha vindo pros EUA pra pegar o besta do meu esposo e ganhar um green card.

    - as amizades eram as mais falsas possíveis, e para ser parte eu tinha que provar que era como eles.

    - não tive o apoio familiar da minha sogra durante na minha fase de adaptação.ela não se mostrou interessada em desenvolver um vínculo... só agora quase depois de dois anos de casada é que ela tem se achegado mais.

    Como não tinha com quem contar, fui procurar vestido com o noivo, mas nem por isso deixei de casar, afinal eu sabia que amava[e amo] aquele homem e sabia que iríamos ter dificuldades, mas a partir dali enfrentaríamos todas elas juntos,o que faria uma enorme diferença.

    Eu aprendi na vida que quando a insegurança bate, não é hora de retroceder mas sim de encarar o medo de frente, pois só assim a gente vence.Qdo recuamos, fica mais fácil de recuar de novo e assim por diante.Não existe o momento em que as nossas emoções vão estar em ordem, nós precisamos aprender a governá-las, pois sempre haverão coisas para nos colocar pra baixo diariamente.

    Ore para que Deus lhe dê discernimento no que fazer a respeito disso e o casamento tem que ser bom pra vc e pro seu noivo e não para os outros.Eles são só convidados e não os atores principais desse filme :)!

    Bjos

    ResponderExcluir
  12. Oi Pri S., como não consegui acessar seu blog, vou deixar o feedback do seu comentário aq msm, pois eu adorei suas palavras e gostaria de agradecer. Isso de dormir melhor a noite me parece um critério mto bom para tomar alguma decisão, ir em busca daquilo q nos traz paz. Mto obg pela visita, beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada por compartilhar a sua opinião. Marque a opção "notifique-me" para ser avisado(a) quando o seu comentário for respondido. Beijos!