26 de maio de 2011

O que é o medo de ser feliz?

Há alguns anos se alguém se aproximasse de mim pra puxar esse assunto, eu muito provavelmente não daria bola, pois eu nunca entendi como alguém pode ter medo da felicidade, algo que todos nós desejamos. Mas o tempo passa, coisas acontecem e a gente muda. Então, deixa eu explicar como é que funciona esse tal medo da felicidade.

Antes, quero recordar aqui meu primeiro baque amoroso. Eu tinha cerca de 18 anos. Era apaixonada por um amigo meu que tinha namorada. Mais ou menos depois de 1 ano de amizade, eu revelei pra ele o que sentia, no fundo eu percebia que ele demonstrava uma atenção especial por mim, atenção essa que ele acabou confessando na nossa conversa. Meses mais tarde, ele termina o relacionamento e diz que foi por minha causa. Algumas semanas depois começamos um namorico, que não chegou a completar nem 1 mês, pois a coisa toda ficou meio estranha, e ele me revelou que descobrira que o que sentia por mim era só amizade e que também sentia saudades da ex-namorada. Hum... Imaginem como fiquei. Fiquei mal, claro. Nunca tinha passado por aquilo. Todo aquele sentimento de rejeição, o medo de não esquecê-lo, enfim. Mas o que me chamou a atenção naquela época foi o medo de me apaixonar outra vez. Eu tinha acabado de começar minha vida amorosa e já não queria mais sofrer por amor nunca mais. Então eu me vi com 18 anos e com um medo bem comprometedor, foi quando pensei: "Peraí, sou muito nova, vou me apaixonar outras vezes e vou sofrer também, é inevitável." Aos poucos fui descartando aquele medo da minha vida. Após este episódio, sofri mais uns 3 baques até encontrar a pessoa com quem estou hoje. Após cada decepção eu me sentia triste, desapontada, mas nunca com medo de me apaixonar novamente. Eu havia aceitado que poderia sofrer, mas entendia que aquela fase ruim iria passar e eu me sentiria bem outra vez.

Nessa área amorosa eu sempre me senti uma pessoa bem resolvida. Nunca tive problemas em ficar sozinha, em dar um tempo pra mim mesma pra me curar entre um relacionamento e outro. E estar com alguém, pra mim, tinha que ser por puro prazer, de verdade. Sabe aquelas pessoas que por medo de sofrer preferem não se entregar, então morrem de vontade de se jogar, de pular de alegria por estarem apaixonadas, mas não o fazem por receio de tudo aquilo, de uma hora pra outra, mudar, acabar, sumir? Então, hoje eu entendo essas pessoas. No meu caso, posso dizer que estou com medo de me ver apaixonada pela vida, de pular de felicidade e de repente, tudo mudar.

Porque isso acontece, já aconteceu comigo algumas vezes. Vou dar alguns exemplos. Nessa mesma fase dos meus 18 anos, tudo estava indo bem, eu tinha acabado de passar no vestibular e estava feliz curtindo minhas "férias". É quando minha mãe chega em casa com o resultado de um exame, e diz que há grandes chances de ela estar com câncer de mama. E ela estava. Uma notícia assim fez tudo mudar. Foi uma fase difícil, mas passou e hoje ela está muito bem, graças a Deus. Um outro momento que me marcou muito, que alguns aqui já conhecem, foi minha experiência na igreja evangélica. Parecia que tudo estava bem, que agora sim eu era feliz de verdade, até que o cenário muda, eu passo a ter crises de ansiedade, e vivencio uma das fases mais difíceis da minha vida. Saio daquele turbilhão com muitas marcas, mas encontro de novo a felicidade. Mais uma vez, estou numa fase muito boa da minha vida, namorando uma pessoa mais que especial, meu atual noivo, até que um certo dia ele recebe uma proposta de trabalho em outro estado, e menos de 1 mês depois, vai embora. Continuamos o relacionamento à distância, mas os primeiros 3 meses foram terríveis. Novas crises de ansiedade, muito medo das mudanças, mas eis que eu me adapto. Só que dessa vez foi diferente, o medo da felicidade apareceu. E desde então, eu percebo que evito ficar muito feliz, pois vai ver o que pode acontecer.

Meu inconsciente fez uma estranha relação, a qual eu só percebo agora: Felicidade resulta em sofrimento. O mesmo (inconsciente) concluiu: Melhor mesmo é não ser feliz demais, assim a queda não é muito grande.

Nesses quase 2 anos de namoro à distância, eu tive bons e maus momentos. Mas sempre aguardei a hora que finalmente viria morar aqui com meu noivo. Casar, dar adeus as despedidas, as viagens mensais de avião, a saudade que apertava o coração. Enfim, aguardava ansiosa a hora de ser - finalmente - feliz. Mas eu chego aqui e me deparo com uma porção de medos e inseguranças que jamais haviam passado pela minha cabeça. Medos que boicotam meus momentos felizes. Um sentimento comum é a sensação de que algo ruim pode acontecer. Então sempre que eu estou bem, num restaurante com amigos, por exemplo, ou fazendo algo legal com o meu noivo, me vem aquela sensação de que alguma coisa ruim pode acontecer. Isto me deixa tensa, e tenho procurado agir com uma postura positiva diante disso, mas não é fácil.

Agora eu entendo o que é o medo da felicidade. Não é medo de ser feliz, é medo de sofrer, é medo da felicidade acabar ou de parecer que ela nunca foi real de fato.Você acha que em não sendo feliz está protegida dos infortúnios dessa vida. Essa "infelicidade" imposta vem como meio de proteção, como se a felicidade fosse atrair coisas ruins. Nossa mente cria maneiras nada racionais com a intenção de nos proteger, o que parece bom, mas apesar da intenção ser boa, a estratégia é extremamente falha, e é preciso corrigir.

É o que estou tentando fazer e vou conseguir. Um lado meu não lamenta eu estar passando por isso, pois sinto como se fosse um degrau a mais que vou subir, algo que poderei compartilhar com as pessoas, ajudar alguém futuramente a perceber e superar, apesar de difícil, é mais uma coisa sobre a vida que eu não entendia e agora tenho a oportunidade de compreender e vencer.

Para finalizar, percebo que o que nos prepara para enfrentar os momentos difíceis da vida são os momentos de sofrimento, não os de felicidade. Os momentos de felicidade são para serem apreciados, já os de sofrimento servem de aprendizado.

8 comentários:

  1. Oi Lis

    Me identifiquei com muitos dos seus sentimentos. Isso mostra o quanto você não está sozinha neste mundarel de sensações e fraquezas.

    Na teoria tudo é mais fácil de ser resolvido. Escrevemos aqui algumas palavras bonitas e ditamos a cartilha de como superar tudo, mas na prática, naquele exato momento em que estamos "no restaurante" tudo se complica e sentimos não dominar muito as nossas sensações de medo do que está por vir.

    O que costumo fazer é pensar que nada é para sempre e contínuo. A vida é muito inconstante. Hoje você está super feliz e depois por algum motivo se sentirá triste. Depois virá a felicidade e novo e outro motivo a entristecerá. Depois outro acontecimento a fará se sentir nas nuvens e na sequência outras coisas a fará sofrer e assim vamos caminhando a vida inteira.

    Mas isso não acontece só com os nossos sentimentos, mas com a saúde também. Hoje estamos super bem, amanhã poderemos pegar uma gripe forte e cair de cama. Tomando o remédio adequado vamos ficar bem e após alguns meses ficaremos doentes de novo.

    Acredito que isso seja viver.
    Viver não é só estar feliz ou triste, satisfeito ou insatisfeito. A vida é uma montanha russa, uma sucessão contínua de fatos bons e ruins.

    Imagina só se tudo na vida fosse só bom?? Será que seríamos pessoas fortes? Nunca saberemos.

    Portanto tente aproveitar ao máximo seus momentos de felicidade. Seria mentira te dizer que nada de ruim poderá acontecer depois. Pois a vida é uma caixinha de surpresa.

    Aproveite cada dia como se fosse o último e não sofra antes da hora. Sei que é simples dizer, na prática é muito mais difícil. Eu mesma tenho esta dificuldade, mas acredito que também conseguirei superar meus fantasmas pensando assim.

    Conte comigo.
    Estou aqui para compartilhar tudo isso com vc.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. oi Lis!
    Muito bem colocada essa ultima frase (Os momentos de felicidade são para serem apreciados, já os de sofrimento servem de aprendizado).Concordo com voce!
    Quanto ao que vc escreveu, acredito que a maioria das pessoas, inclusive eu, sente o mesmo que voce: medo de ter algo muito bom, e depois perder...
    Infelizmente nao temos o poder de controlar o futuro, e surpresas (boas e ruins) nos esperam mais adiante.
    O que nao vale eh deixarmos de ser felizes hoje, por medo do que possa acontecer amanha. Assim, estariamos sofrendo antecipadamente, e jogando fora os dias felizes que Deus nos deu de presente, nao achas?
    um beijo, e um otimo dia pra voce!

    ResponderExcluir
  3. Oi Lis,
    Adorei sua visita, mas entre no blog da uol, por que é lá que realmente ando escrevendo. Aqui na China tem problema com a censura e no uol é liberado.
    http://chinanaminhavida.zip.net

    Aproveita e leia esse artigo. Conheço todos os entrevistados e realmente a coisa está a mil por aqui.
    http://revistapib.com.br/noticias_visualizar.php?id=611

    Beijo
    Chris

    ResponderExcluir
  4. Oi Lis, no fundo eu acho que todo mundo é um pouquinho assim: acho que nós fomos criados para pensar, na sociedade coidental, que ser feliz é algo a ser buscado,então nunca acabamos realmente satisfeitos. Se conseguimos passar numa faculdade, queremos ser os melhores alunos e assim por diante sabe? Acredito que o importante é a gente aproveitar os momentos em que estamos bem, se preocupar com o porvir... já ouviu falar que o medo do futuro nos rouba o presente? Um abraço e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  5. Lis, obrigada pelo seu ultimo comentario!
    Tenho tentado dar um feedback nos comentarios, mas o blog nao esta permitindo... enlouqueceu! rsrsrs
    tb acompanhei seu blog no tempo q passei la em JP! Alias, foi um periodo maravilhoso! Mas da proxima vez q eu for, vou avisar antes, pra nao dar mais susto no pessoal! kkkkk
    Sim, qto a vcs irem morar fora... entregue a Deus! Se a hora nao era essa, entao aproveita pra curtir a casa nova, (cidade nova??), a vida a dois que ainda eh nova... vc ainda pode descobrir tanta coisa bacana por ai, nao eh?
    beijinhos, e ate breve!

    ResponderExcluir
  6. Gostei mto das palavras... O encerramento então, é uma verdade q a muito me acompanha... Bj!

    ResponderExcluir
  7. Lis,

    Essa conclusão a qual o teu inconsciente chegou, é filosofia de vida de muita gente que conheço, infelizmente...

    Um beijo, bom fds, viu?

    ResponderExcluir
  8. Oi Lis, concordo com você, felicidade e tristeza fazem parte da vida do ser humano, ninguém é 100% feliz e nem 100% triste, temos que ser sábios e aprender com as decepções e aproveitar os momentos de felicidade ao maximo, quem nunca passou por uma decepção amorosa nessa vida né... tudo é valido...
    Beijinhos

    ResponderExcluir

Obrigada por compartilhar a sua opinião. Marque a opção "notifique-me" para ser avisado(a) quando o seu comentário for respondido. Beijos!